Gestação

Saiba quais são os riscos da toxoplasmose na gravidez

Escrito por Mammybelt

Quando estamos esperando um neném, muitas preocupações passam pela nossa cabeça — ainda mais se formos mães ou pais de primeira viagem. A toxoplasmose na gravidez, não sem razão, é uma delas, já que a doença pode trazer consequências sérias para o bebê que está em formação.

Apesar de ser potencialmente grave para o neném no útero, a doença não causa sintomas na maioria dos adultos. Por isso, alguns cuidados devem ser tomados durante a gestação para evitar que a mãe se contamine e transmita a toxoplasmose para o bebê que está a caminho. 

Continue conosco para saber mais sobre essa doença, os riscos que ela oferece durante a gravidez e o que fazer para evitar a contaminação. Vamos lá?

O que é a toxoplasmose?

Também conhecida como doença do gato, a toxoplasmose é a infecção causada pelo parasita microscópio Toxoplasma gondii. Diversas espécies de animais podem ser afetadas por esse microrganismo, mas os gatos infectados são os principais disseminadores da doença, uma vez que eliminam ovos dos parasitas nas fezes.

A contaminação se dá pela ingestão desses ovos, que podem estar no solo, na água, em alimentos, ou mesmo, em utensílios que tiveram contato com fezes de animais infectados. O parasita pode ser ainda transmitido da mãe para o filho durante a gravidez. 

Quais são os riscos da toxoplasmose na gravidez?

Adultos saudáveis raramente manifestam sintomas da toxoplasmose. Quando isso acontece, o quadro lembra uma gripe e inclui febre, mal-estar generalizado, dores de cabeça e pelo corpo. No entanto, quando a doença é adquirida durante a gravidez, o parasita pode chegar até o bebê, trazendo riscos que variam de acordo com o tempo gestacional.

Primeiro trimestre

Embora a probabilidade de transmissão do parasita para o bebê seja pequena, os danos que a infecção causa são extensos e as crianças costumam carregar sequelas devido ao comprometimento do sistema nervoso. Em muitos casos, as malformações resultantes culminam no abortamento espontâneo

Segundo trimestre

A chance de transmissão do parasita para o bebê aumenta, mas as consequências tendem a ser menos graves. Quando a doença ocorre entre o quarto e o sexto mês de gestação, as sequelas mais comuns são atraso no desenvolvimento e problemas oculares.

Terceiro trimestre

A transmissão do parasita da mãe para o bebê é comum, mas costuma ser menos problemática para o recém-nascido. No entanto, a toxoplasmose pode não ser detectada na hora do nascimento e as sequelas da doença são percebidas após alguns meses ou anos, na forma de convulsões, problemas de visão ou déficit de atenção.

Como se prevenir contra a doença?

Durante o pré-natal, o médico solicita uma série de exames, incluindo aquele que permite identificar se a gestante tem ou já teve toxoplasmose. Caso a mãe já tenha tido a doença no passado, mas ela não esteja mais na forma ativa, é possível respirar com tranquilidade, já que a presença de anticorpos no sangue torna a mulher imune ao problema.

No entanto, se for constatado que a doença está em sua forma ativa, o médico vai recomendar o tratamento mais indicado, sempre levando em conta o tempo de gestação e os potenciais benefícios do uso de medicamentos frente aos riscos de uma terapia mais agressiva.

Agora, se a futura mamãe não tem a doença nem os anticorpos que a deixam imune à toxoplasmose, ela deve tomar alguns cuidados para evitar a ingestão de ovos do parasita, incluindo:

  • não consumir alimentos crus sem a prévia higienização;
  • cozinhar bem as carnes;
  • armazenar alimentos crus e cozidos separadamente;
  • se tiver gatos, impedir que os animais saiam à rua;
  • evitar o contato com animais abandonados;
  • lavar bem as mãos, principalmente após praticar jardinagem;
  • beber apenas água tratada ou fervida.

Pronto! Seguindo essas recomendações, é possível evitar a toxoplasmose na gravidez e suas consequências para o bebê. Capriche nas medidas de higiene no seu dia a dia e, se tiver um gatinho, peça ao veterinário um exame para detectar a doença. Mantenha seu animal bem-cuidado e evite que ele saia para caçar. Dessa forma, você impede que ele se contamine e coloque o desenvolvimento do bebê em risco. 

O que achou deste conteúdo? Assine nossa newsletter e receba outras dicas para uma gestação tranquila e segura diretamente no seu e-mail.

Sobre o autor

Mammybelt

Deixar comentário.

Share This