Gestação

Veja os palpites mais comuns na gravidez e como lidar!

Escrito por Mammybelt

Quando a barriga começa a despontar, a grávida vira uma verdadeira sensação por onde passa. Milhões de mãos acabam parando na sua barriga, junto com perguntas sobre o sexo do bebê, felicitações e…. pitacos. Sim, os palpites na gravidez são um clássico!

Mas, na rotina de mãe, tão corrida e cansativa, será que dá para fugir da chuva de conselhos intrometidos (para não dizer inconvenientes)? Ou só resta digerir e abrir aquele sorriso amarelo? Leia este texto e confira!

Quem nunca ouviu um palpite deselegante?

Confira 7 pitacos deselegantes que quase toda grávida ou mãe de recém-nascido já ouviu.

 

1. “Tem certeza de que não são dois? Você está enorme!”

Ou, então, o contrário: “Ué? Cadê sua barriga? Está pequena, né?“. O tamanho da barriga de gestante sempre é motivo de observações inconvenientes.

Da mesma forma, o formato da barriga é motivo de palpites. “O médico disse que é menina? Ah! com este formato “X” , acho que é menino. Cuidado com o enxoval! Conheço uma pessoa …”

2. “Na minha gravidez, eu não tive tanto enjoo assim.”

Outro dos palpites na gravidez que fazem a gente revirar os olhos é a comparação de sintomas. Enjoos, cansaço, seios doloridos: para tudo isso, há um arsenal de pitacos. 

3. “Vai fazer cesárea? Mas precisa respeitar a hora do bebê!”

Uma coisa que dá o que falar é o tipo de parto. Se optar pela cesariana, as críticas e julgamentos são inevitáveis. Afinal, hoje em dia, há praticamente uma “patrulha do parto normal”, pronta para palpitar sobre sua decisão. 

4. “Nem pense em não amamentar. Dedique-se a isso.”

Os benefícios do aleitamento materno são muito conhecidos, mas infelizmente a amamentação não é tão simples. Tipo: pariu, terá litros de leite, o bebê terá a pega perfeita e a amamentação acontecerá lindamente. Além do mais, há mães que optam por não amamentar. É uma decisão sempre pessoal.

Ocorre que, caso a amamentação não aconteça como se espera, terá que lidar com uma chuva de críticas. Até parece que só é mãe quem dá o peito! Melhor ficar quieta. 

5. “O bebê vai dormir com vocês? Vai ficar mal-acostumado!”

E se você deixar escapar em uma conversa que pretende fazer cama compartilhada com o bebê nos primeiros meses? Prepare os ouvidos, que lá vem experiências e exemplos.

6. “Você tem que deixar o bebê chorar”

Esse é um conselho que normalmente parte de pessoas mais velhas, como aquela tia distante do seu marido. Desagradável, né?

7. “Ele/ela não vai ter um irmãozinho?”

Um dos palpites mais inconvenientes é esse! Quem tem que pensar sobre ter ou não o segundo filho é o casal, concorda?

E as pequenas invasões de todo dia?

Como se não bastassem os palpites na gravidez, a futura ou recém-mamãe também precisa lidar com pequenas “invasões” que tiram qualquer um do sério. Principalmente com as oscilações hormonais desse período, que já mexem com o emocional da gente.

Coisas como passar a mão na barriga sem intimidade, ir visitar o recém-nascido sem avisar antes e — pior ainda —, pegar o bebê no colo sem pedir, beijar a mão do recém nascido. Isso quando não vão preparar um chazinho para cólica sem nem pedir autorização, muitas vezes desrespeitando seu desejo de amamentação exclusiva. 

Como lidar com essas situações?

Diante desses palpites e atitudes no mínimo “sem-noção”, a gravidinha pode acabar soltando respostas ríspidas ou engolindo tudo com um sorriso forçado. A dica é lidar com tantos pitacos com muita sinceridade — diga, por exemplo, que você agradece a opinião, mas que prefere fazer as coisas de outro jeito.

Ah, também vale contar com as recomendações médicas nessa hora, ao dizer que vai cuidar do bebê assim ou assado porque conversou com um pediatra de confiança e se sente mais segura assim. Outra opção é simplesmente “abstrair e fingir demência”.

Afinal, lembre-se de que a maioria dos palpites na gravidez partem de pessoas que passaram por isso e que às vezes só querem ajudar. Então, é comum que acabem comparando com sua própria experiência, sem se dar conta de que cada gravidez e cada bebê é de um jeito. E, Acima de tudo, cabe aos pais criar seu filho como entendem melhor para eles. 

Agora, que tal compartilhar este post nas suas redes sociais? Assim seus familiares e amigos já começam a dar aquela trabalhada no bom-senso.

Sobre o autor

Mammybelt

Deixar comentário.

Share This